Comunicação interna as 5 melhores práticas para o RH WORK MEDICINA - Comunicação interna as 5 melhores práticas para o RH
 

Comunicação interna as 5 melhores práticas para o RH

 

Embora a comunicação entre funcionários e corporação seja parte do escopo desse setor, há uma diferença entre divulgar informações e implementar uma estratégia consistente de diálogo interno.

Conheça as práticas principais de comunicação para o RH:

 

 

 1. Comece com um bom planejamento

Antes da implementação, é indispensável elaborar como essa comunicação será feita, considerando as metas da empresa. Nesse momento, aspectos devem ser valorizados como o engajamento dos colaboradores, a cultura organizacional e a qualidade da informação.

Para isso, além de revisar os objetivos corporativos, faça uma pesquisa entre os colaboradores para entender que tipo de informação eles consideram relevante, como oportunidades de promoção ou novidades sobre o ramo de atuação, por exemplo.

Outro fator importante é deixar claro o que é comunicação organizacional, e o que é comunicação funcional. A primeira vai tratar do dia a dia da empresa, e do negócio, majoritariamente, enquanto que a segunda vai cuidar especificamente de temas relacionados à Recursos Humanos. Fazer uma distinção entre os dois tipos de comunicação auxilia a ter mais clareza no planejamento, bem como nos assuntos a serem abordados.

 2. Faça com que os gestores participem do processo

Sem a presença e o envolvimento dos líderes, a estratégia de Comunicação Interna está fadada ao fracasso.

Apenas com o total alinhamento de todos os gestores, é possível implementar ideias que sejam realmente praticadas no dia a dia, sem que isso se torne um problema.

Podemos usar como exemplo a adesão a uma rede social interna, por exemplo. Os funcionários podem sentir vontade de usufruir da ferramenta, mas se houver barreiras da chefia ou micro gerenciamento em relação ao uso, a adesão tende a cair.

Outro ponto é que o gestor deve participar compartilhando informações sobre a sua área de atuação. No começo, os gestores podem até considerar uma tarefa a mais, mas a Comunicação Interna também ajuda a dar visibilidade – o que pode ser um importante para o engajamento da alta gestão.

3. Trabalhe localmente, pense globalmente

Contar com filiais em diferentes países é uma realidade para várias empresas. Mesmo que a sua organização trabalhe em escalas menores e tenha apenas alguns grupos de colaboradores em outras localizações, ou até mesmo um ou outro colaborador que atue remotamente, essa distância afeta a comunicação.

Nesse processo, a Comunicação Interna pode auxiliar em manter “todos na mesma página”, mantendo vivo o discurso corporativo, bem como as metas e objetivos gerais do negócio. Entretanto, é importante que esses grupos locais sejam engajados por meio da formação de comitês, que podem dar vazão às demandas locais de comunicação.

4. Aborde a comunicação interna durante o onboarding

O processo de integração está intimamente ligado à comunicação interna. Novos colaboradores são inundados de regulamentos e práticas, como informações sobre o estacionamento, dress code e questões relacionadas ao trabalho em si.

Mas, e em relação às ferramentas de diálogo entre empresa e profissional, essa adaptação é feita? Incluir um instrumento para isso no material de onboarding (pode ser um guia curto e simples) ajuda muito os novos contratados.

Tal prática mostra onde certas informações podem ser encontradas, afinal, pode ser bem desconfortável interromper o colega do lado o tempo todo para esclarecer dúvidas pontuais.

5. Menos é mais

Se na corporação são usadas muitas ferramentas e sistemas diferentes para o compartilhamento de informações, certamente os funcionários sentem dificuldade para encontrar o que precisam.

É essencial que você centralize a plataforma de comunicação, mantendo o mínimo possível de ferramentas disponíveis.

Com essas 5 práticas, o RH conseguirá promover uma comunicação interna eficiente e que traga resultados positivos tanto para os colaboradores como para a organização. Lembre-se que a qualidade desse diálogo é determinante para o engajamento dos profissionais e crescimento corporativo.

 

      

 

NOSSOS SERVIÇOS

Quais são os serviços de Medicina e Segurança do Trabalho desenvolvidos pela WORK?