Como saber qual o grau de risco do seu estabelecimento WORK MEDICINA - Como saber qual o grau de risco do seu estabelecimento
 

Como saber qual o grau de risco do seu estabelecimento

 

Grau de risco é uma escala numérica de 1 a 4 definida pela NR4 para avaliar a intensidade de riscos as quais os trabalhadores de cada tipo de empresa estão expostos. Esse valor serve para definir quais obrigações a empresa deve cumprir para estar em dia com as leis trabalhistas.

 Toda pessoa que trabalha está exposta a inúmeros riscos em seu ambiente de trabalho, como a possibilidade de acidentes, aquisição de doenças ocupacionais e, até mesmo, a morte.

 Para evitar isso e assegurar a integridade dos trabalhadores existem inúmeras leis trabalhistas.

 Entretanto, cada tipo de empresa expõe o trabalhador a riscos diferentes. Quem trabalha em uma confeitaria, não está exposto aos mesmos tipos de riscos do que quem trabalha na área da saúde, por exemplo.

 Por este motivo, o Ministério do Trabalho, através de sua 4ª Norma Reguladora (NR4), divide as empresas em 4 graus de risco.

 Esses números são definidos pela CNAE (Classificação Nacional de Atividades Econômicas) e determinam quais obrigações legais cada tipo de empresa deve cumprir para manter esses riscos sob controle e garantir a integridade física e mental de seus funcionários.

 Não sabe qual o grau de risco da sua empresa? Então continue a leitura!

 Neste post você vai aprender:

A classificação dos graus de risco;

Como saber o grau de risco da sua empresa;

Quais são as categorias de risco;

O que é Mapa de Risco.

 

Vamos lá?

 

Classificação dos graus de risco

Imagem relacionada

 Os graus de risco definidos pela CNAE  representam uma escala de 1 a 4, na qual 1 simboliza o risco mínimo e 4 simboliza o risco máximo.

 Mas o que cada grau quer dizer exatamente?

 É isso que vamos abordar neste tópico:

 

Grau de risco 1 (GR1) - Risco muito baixo

Empresas classificadas como GR1 são as de risco muito baixo, ou seja, empresas cujo ramo de atividade expõe os funcionários a riscos muito improváveis e que, por esse motivo, tem menos obrigações legais relacionadas à saúde e segurança do trabalho do que as de riscos mais altos.

 

Grau de risco 2 (GR2) - Risco baixo

Empresas classificadas como GR2 são as de baixo risco, ou seja, que seu ramo de atividade submete os funcionários a riscos moderados. Essas têm mais obrigações legais relacionadas à saúde e segurança do trabalho do que as empresas com Grau de Risco 1, por exemplo.

 

Grau de risco 3 (GR3) - Risco médio

Empresas classificadas como GR3 são as de risco médio, ou seja, empresas com ramo de atividade que expoe os funcionários a riscos regulares. Essas têm mais obrigações legais relacionadas à saúde e segurança do trabalho em comparação a empresas com Graus de Risco 1 e 2.

 

Grau de risco 4 (GR4) - Risco alto

Por fim, as empresas classificadas como GR4 são as de risco alto, ou seja: seu ramo de atividade expõe os funcionários a riscos frequentes. Dos quatro graus de risco, esse é o que exige um maior número de obrigações legais relacionadas à saúde e segurança do trabalho.

 

Como saber o grau de risco da sua empresa:

Imagem relacionada

 1 - Descubra seu CNAE

 Para consultar esse dado, entre com o CNPJ do seu negócio no site da Receita Federal.

 

2 - Identifique seu CNAE no Quadro 1 da NR4 e observe o grau de risco correspondente

 O Grau de Risco da sua empresa estará a direita conforme exemplo:

 

 Resultado de imagem para grau de risco

 Legenda:

 - Código CNAE: 01.13-0;

- Atividade Principal da Empresa: Cultivo de cana-de-açúcar;

- Grau de Risco (GR): 3.

 

Categorias dos graus de risco

Resultado de imagem para empresa

 Os graus de risco são definidos em 5 categorias, e são elas:

 Risco físico

 Originados de fatores como choques elétricos, movimentação de máquinas, barulho, radiações ionizantes e vibrações.

 

Risco químico

 Originados de fatores como contato com produtos corrosivos, gases, ácidos e materiais perigosos em geral.

 

Risco biológico

 Originados de fatores como contato com animais, plantas perigosas, bactérias, vírus, protozoários, fungos, parasitas e bacilos.

 

Risco ergonômico

 Originados de fatores como esforço físico intenso, jornadas de trabalho prolongadas, monotonia, repetitividade e acomodação incorreta.

 

Risco de acidentes

 Originados de fatores como quedas ou ferimentos em razão do manuseio de objetos, por exemplo.

 

O que é Mapa de risco?

 Mapa de risco é um documento que serve para representar visualmente os níveis de risco de cada elemento dentro de um contexto de trabalho.

 Esses elementos podem ser, desde as matérias-prima e equipamentos utilizados no processo de trabalho, até as instalações do local, a metodologia aplicada e as relações interpessoais da equipe.

 O objetivo é identificar e conscientizar a equipe a respeito dos fatores de risco presentes no ambiente de trabalho e buscar formas para minimizá-los.

 A elaboração do mapa deve ser liderada por profissionais de segurança do trabalho, geralmente, membros da CIPA (linkar com LP ebook CIPA), e desenvolvida, de forma participativa, junto a todos os gestores e funcionários da empresa.

 

No mapa,  cada categoria de risco é representada por uma cor, conforme segue.

 - risco físico: verde;

- risco químico: vermelho;

- risco biológico: marrom;

- risco ergonômico: amarelo;

- risco de acidentes: azul.

 Imagem relacionada

Já a intensidade de cada risco é ilustrada com círculos de diferentes tamanhos. Quanto maior o círculo, maior o grau de risco, e quanto menor, menor  grau de risco.

 Assim que finalizado, recomenda-se que o mapa de risco seja afixado em espaços de grande visibilidade em cada setor, para que todos tenham conhecimento.

 

Os graus de risco e o eSocial

Resultado de imagem para esocial

Muita gente também tem dúvidas se a classificação de riscos muda com o eSocial.

A resposta é: não.

O eSocial não muda nenhuma legislação trabalhista, apenas a forma como essas obrigações são recebidas pelos órgãos responsáveis.

Com o sistema, dados que antes deviam ser enviados para instâncias diferentes agora devem ser centralizados na plataforma do programa. Considerando isso, a única coisa que, de fato, muda, é que, com o eSocial, a fiscalização do Ministério do Trabalho será muito mais precisa e instantânea, logo, o empregador terá menos tempo para cumprir com essas exigências.

 

 

      

 

NOSSOS SERVIÇOS

Quais são os serviços de Medicina e Segurança do Trabalho desenvolvidos pela WORK?